6 de fevereiro de 2011

Por Trás das Portas


Ruas, digam-me onde ela mora
Em que casa ela se guarda
Para o primeiro que aparecer

Digam-me em que esquina ela se desdobra
E se divide entre a santa e a outra
Para se encontrar e se perder

As pedras que por ela rolam
Na certa saberão dizer
Por trás de qual dessas portas ela se tranca
Depois de tanto acontecer

Ruas, digam-me em que janela ela joga
Os seus versos ao vento
Para o tempo colher.

[Anderson Lopes]

2 comentários:

  1. Como sempre lindoooo!!!!!!!Colega vc é inspirado!!!!Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. Bela poesia, bem do jeito que eu gosto. Parabéns. :D

    ResponderExcluir