10 de abril de 2016

Bordado

De ponto em ponto
Como uma agulha
Vou bordando o meu caminho
Conduzindo o meu frágil linho
Formando firmes desenhos
No manto branco da vida...


Anderson Lopes

10 comentários:

  1. E esse bordado, Anderson, depende, exclusivamente, de sua habilidade com a linha e a agulha...
    Muito bom!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. E esse bordado, Anderson, depende, exclusivamente, de sua habilidade com a linha e a agulha...
    Muito bom!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Como vc disse:'de ponto em ponto'.
    Precisamos ter paciência nesse bordado da vida.

    Parabéns pelo texto !

    ResponderExcluir
  4. é isso aí, Anderson... de pequenos passos a vida é feita. é preciso habilidade e cuidado para k ela seja alva. amo te ler.

    olha, qto a tua questão - fui operada a mão dta em março e em abril, portanto 2 vezes, devido a contratura de Dupuytren, e nos tempos mais próximos não posso postar. estou escrevendo com a mão esquerda, pke a outra está mto dorida e com mto pouca capacidade de movimentação.

    beijos e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Reli seu belo poema, Anderson...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. E assim vamos tecendo nossos caminhos. Bonito, Anderson.

    ResponderExcluir
  7. E como este bordado de palavras é magnífico.
    Gostei imenso, excelente poema.
    Bom fim de semana, caro amigo Andersen.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Bela obra, Anderson!
    Teceu essa poesia com maestria!
    Grande abraço, sucesso e ótima semana!

    ResponderExcluir
  9. oi, Anderson...

    passando pra saber de voce, reler seu magistral poema e te dizer k voltei a publicar. Qdo te for possível, passe lá. Tá...

    Beijos, querido e bom domingo.

    ResponderExcluir