31 de março de 2014

Fome

Meio-dia
Minha fome
E o meu desejo
De resgatar sabores antigos

Meio-dia
Sou só metade
Tentando resgatar a outra
No fundo de um prato vazio...

(Anderson Lopes)

12 comentários:

  1. Bela obra, Anderson!
    Reflexiva, poética!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Teu poema é que não meio. Sensações e inspirações completas.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Faz lembrar velhos almoço ao lados das tias, dos primos, de um tempo findo, que vão voltar mais, agora é só nostalgia.

    ResponderExcluir
  4. Não "tente" resgatar...Vá e resgate!
    Querido Anderson, beijos!

    ResponderExcluir
  5. Meu querido amigo e poeta Anderson, novamente encaro um poema teu, naõ diferente dos que já li aqui, este me leva para as viajens que a poesia me proporciona...as duas metades, da abundância e da falta, assim, talvez seja meu coração que vive entre o vazio do amor e a necessidade cruel de encher de amor até se engasgar (divaguei rs). Gosto da idéia do resgate, das buscas que devemos fazer dentro de nós, os bons sabores da vida, que pode ser um toque, um olhar ou mesmo um belo almoço em família. Meu querido poeta, sempre uma dádiva beber na fonte de tua poesia. Obrigado.
    ps. Meu carinho meu respeito e meu abraço.

    ResponderExcluir
  6. lindo, me fez pensar e lembrar de muita coisa! adoro quem tem poder de síntese...e eu tão prolixo ás vezes!

    ResponderExcluir
  7. Sempre intensa sua escrita . Muito belo o poema . Agradeço a partilha e sua visita ao meu espaço , Anderson . Beijos

    ResponderExcluir
  8. Gosto muito de suas figuras...

    ResponderExcluir
  9. Um jogo de sentidos... o momento de nos resgatar dentro do tempo é um sem-fim profundo (pra mim).
    Belo Poema, Anderson!

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Lindo blog!

    Inteiro ou metade?
    Não importa. O importante é ser
    completo.
    Não que eu seja
    o quê...

    ResponderExcluir