2 de maio de 2012

Jantar Indigesto [Cospe ou Engole?]



Veja ali na mesa
O casal
Jantando
Reparem nos olhos dela
Olhos inquisidores
Ameaçadores
De águia prestes a atacar a presa
Reparem nos olhos dele
Olhos caídos
Indiferentes
De presa inconsciente da ameaça

O silêncio seria total
Não fosse o barulho do mastigar das bocas
E como ela mastiga
Não a comida
A palavra
Ela não engole
Rumina
A palavra já fria
Sem sabor
Esperando o momento exato de cuspi-la
E enquanto mastiga
Ela não tira os olhos de cima dos olhos caídos dele

Na parede o relógio registra
A eternidade dos segundos...

[...]

De repente
Ele levanta os olhos
Encara-a
Ela se assusta
Torna-se a presa
Tão indefesa quanto a águia fora de seu habitat
Ele quebra o silêncio das vozes:
- O que foi? Parece assustada. Quer me dizer algo?
Ela não responde
Engoliu, sem querer
A palavra
Então, derruba os olhos em direção ao seu prato
E mastiga
Não a palavra
A comida
Já fria
Sem sabor...

Sim, a vingança é um prato que se come frio.

Anderson Lopes

4 comentários:

  1. "Na parede o relógio registra
    A eternidade dos segundos..."

    Quando os minutos são horas e os dias são anos
    é porque deixamos de viver para apenas suportar.
    conviver.


    Adorei a forma como brinca com as palavras,
    Fantástico.



    Beijo:)

    ResponderExcluir
  2. "Engoliu/ sem querer/ a palavra". Uia! Se soubesse o que este verso provocou em mim! Eu pularia no seu pescoço e te abraçaria bem apertado por toda a emoção! (fiquei aqui pensando em como fazer um comentário poético do que senti, não deu! ficou infantil, mas é isso mesmo que eu queria dizer! Tá dito.)

    ResponderExcluir
  3. -Abraçar o Tempo, você acertou a seta no alvo

    -VerMent*, quantas palavras engolimos sem querer, não é? Obrigado pela reação. Valeu mais que um comentário poético.

    ResponderExcluir
  4. Excellent Working Dear Friend Nice Information Share all over the world.olympic station cycles.God Bless You..
    olympic park cycles

    ResponderExcluir