4 de dezembro de 2012

Nova Idade, Cidade Velha


No rosto as linhas aparecem
Como as espinhas que brotavam
Na adolescência já quase esquecida
A pele começa a dar os primeiros sinais de desgaste
E a memória também

A perda gradativa dos cabelos
E o medo de não mais tê-los
E de nem chegar a vê-los
Embranquecidos em minha cabeça:
Crescem as entradas
E poucas são as saídas
O espelho me compara com o meu pai

São Paulo envelhece
Amadurece as maçãs do rosto
No rosto ainda verde
Acelera a lentidão do corpo
Com o corpo ainda disposto
A encarar grandes andanças...

[Anderson Lopes]

25 comentários:

  1. Muito bem retratada essa passagem do tempo...

    Um abraço!


    ResponderExcluir
  2. Olá querido poeta e amigo, antes de atravessar este portal que nos conecta, estava indo ao barbeiro, que corta meu cabelo há muitos anos, enfim, pensava em pedir para ele radicalizar de alguma forma rs, pois eles ficariam brancos e fatalmente cairiam...foi muito bom ler teu poema, e ele sendo tão real e sincrônico com o que sinto, e penso. Acho que busco isso na poesia, e tu me dá um banquete. Adorei teu poema anterior, aquela boca linda da Gal, cheguei a esboçar um comentário, mas sou meio lesado, e perdi, enfim...mas este poema foi muito intensa a minha sintonias com ele. Adorei.
    ps. Meu carinho meu respeito meu abraço.

    ResponderExcluir
  3. não conheço pessoa blogueira mais cosmopolita do que vc!
    vc é O retrato urbano!

    ResponderExcluir
  4. oi, Andersen!

    O tempo é implacável com as "coisas" e com as pessoas.
    Você é um excelente escritor.

    Beijos da Luz, com carinho.

    Afetos e Cumplicidades

    ResponderExcluir
  5. O espelho, esse amigo/inimigo não deve ser levado muito a sério. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo! Envelhecer na cidade - envelhecer na idade. Seguindo o blog!

    ResponderExcluir
  7. Uma bela metáfora entre nós e a grande São Paulo..

    ....tudo na vida envelhece, amadurece, desgasta, muda.


    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Um belo poema, querido.

    Assim como nós, as cidades também envelhecem.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Transitório, meu caro, a vida é essa coisa efêmera mesmo.
    Gostei do blog.

    ResponderExcluir
  10. qdo estou em sp as maçãs do meu rosto também amadurecem, mas como não sou daí, volto pra casa salvo, sozinho.

    :)

    ResponderExcluir
  11. Acho que a parte bela da vida é isso mesmo, que ela passa. E ninguém melhor que o espelho para refletir essa mudança.

    ResponderExcluir
  12. Maravilha a escolha de palavras!
    Feliz semana, amigo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. O passatempo do calendário;
    é brincar com as datas
    e nossas almas (exaustas).

    ResponderExcluir
  14. a cidade e o envelhecimento

    ó palavras, ó palavras tuas

    beijo

    ResponderExcluir
  15. Oi, Andersen!

    Passando pra saber de você e lhe desejar um excelente fim de semana. O Natal está próximo, né?
    Voltarei, depois.

    Beijo da Luz.

    ResponderExcluir
  16. Há uma nova cidade
    dentro da cidade nova
    que grita,
    brinca,
    corroi.

    ResponderExcluir
  17. O verso envelhece no decaimento do tempo

    Gostei do espaço e da poesia

    Abraço

    ResponderExcluir