12 de abril de 2012

Erros Que Se Repetem Por Prazer

Ela continua amando errado
Andando em brasas para merecer o amor de volta
Entrega-se com a mesma facilidade em que se perde
E quando se reencontra nunca está completa

Com o coração nas mãos costurando-o fibra por fibra
E com os olhos afogados em lágrimas
Ela profere falsas promessas
Jura não ultrapassas as barreiras

Mas com o coração costurado e reposto em seu peito vazio
O amor começa a dar sinais...


Anderson Lopes

4 comentários:

  1. Sorte dela ter reconstruído
    o coração. Imaginei um final
    triste, mas, foi surpreendente
    esse ar de renovação.

    Estou a segui-lo;
    adorei seu poema.

    ResponderExcluir
  2. Sempre errado, sempre incompleto... eita sina! ¬¬

    ResponderExcluir
  3. Oi, Anderson, obrigado pela visita ao SEXTAS CRÔNICAS e comentário. Você manda muito bem, gostei de tudo que li por aqui.
    AS PESSOAS NÃO MUDAM. SE DEBATEM AO LONGO DOS ANOS CONTRA A SUA PRÓPRIA IDENTIDADE. ESTÃO FECHADAS EM SUAS CABEÇAS AVANÇADAS. ESTÃO FECHADAS EM SUAS CABEÇAS AVANÇADAS. ESTÃO FECHADAS EM SUAS CABEÇAS AVANÇADAS.

    ResponderExcluir
  4. Incrível a nossa capacidade de reconstruír.
    Sempre achamos que é o fim, quando na verdade é sempre recomeço.

    Adorei sua forma de criar. Adorei o blog =)

    ResponderExcluir